10 segredos do RH do Google para criar uma empresa onde todos querem trabalhar

A cultura do Google é de incentivar 'reuniões casuais' para favorecer a colaboração e a criatividade.

O Google é, há anos, uma das empresas mais cobiçadas pelos profissionais de tecnologia do mundo todo. Assim, todo ano, mais de dois milhões de pessoas se candidatam a uma das 5 mil vagas da empresa. Com seus altos salários, lista de benefícios e projetos fantásticos, ela está com frequência em 1º lugar nas listas dos melhores lugares para trabalhar. 

Laszlo Bock foi VP de People Operations do Google por 10 anos, entre 2006 e 2016. Só para ilustrar, “People Operations” é onde o RH e a gestão orientada por dados se encontram. Nesse meio tempo, a firma cresceu de 6 mil para mais de 60 mil funcionários, e se tornou uma poderosa organização global.

Lá dentro, Bock criou com sua equipe estratégias de gestão que fizeram do Google um dos melhores lugares para trabalhar. Seus métodos ajudaram a empresa a se tornar uma das mais felizes dos EUA.

Por fim, ele deixou a gigante de tecnologia em 2016 para iniciar a Humu, uma firma que ajuda a criar melhores locais de trabalho. Para tal, combina milhares de dados para indicar as ações mais importantes. 

Aqui estão algumas dicas de Laszlo Bock para fazer a sua empresa ser um lugar em que todos queiram trabalhar. Leia o artigo todo ou veja suas dicas favoritas:

Dê significado ao trabalho das pessoas

Dificilmente sua empresa irá obter um crescimento constante se os funcionários forem motivados só pelo contracheque (ou se o seu único objetivo for tornar-se líder do mercado). Isto ocorre pois todo trabalho precisa estar ligado a um propósito.

É por isso que o Google tem uma missão organizacional tão ambiciosa: “organizar as informações do mundo para que sejam acessíveis de forma universal e úteis para todos”. Dessa forma a empresa está se comprometendo não só com um objetivo de negócio, mas também com um propósito moral que deve ser sempre visado. 

Só contrate pessoas melhores que você

Bock explica que seu método de contratação é nunca abrir mão de um alto padrão de qualidade, não importa qual for o caso. Uma contratação errada tem efeito tóxico, não somente pelo funcionário acabar tendo um baixo desempenho, mas também por comprometer o desempenho, a moral e a energia das outras pessoas do time. 

Não acumule todo o feedback para a avaliação de desempenho

Se a única vez em que as pessoas receberem feedback sobre seu trabalho for na avaliação anual de desempenho, eles irão associar suas críticas ao fracasso. Bock sugere conversar de forma regular com seus colaboradores sobre o trabalho e deixar a avaliação de desempenho dedicada só ao atingir ou não das metas. Se você seguir essa ideia, a avaliação anual não será uma surpresa para ninguém, pois você forneceu feedback o tempo todo. 

Preste atenção nos seus melhores e nos seus piores funcionários

Se você tivesse que ordenar seus colaboradores do melhor para o pior, observe com cuidado os extremos da lista. Então, registre o que faz os melhores se sobressaírem. Estimule essas pessoas a ensinar suas habilidades aos demais.

Olhe para os seus piores funcionários e lembre do porquê você os contratou. Analise se a função que eles exercem está aproveitando suas melhores habilidades ou se eles, de fato, não se adaptaram à empresa. No caso de suas habilidades não estarem sendo aproveitadas, dê a eles a chance de se recuperarem com novas atribuições.

No caso de não terem se adaptado à empresa, permita que eles partam em busca de novas oportunidades. Faça isso pelo bem da sua equipe e também deles mesmos.

Confie na sua equipe

Um gestor deve orientar o progresso de quem trabalha e analisar a sua performance. Isto é, ele não deve micro gerenciar ou monitorar excessivamente seus funcionários. Esse nível de confiança deve ir em ambos os sentidos. O Google realiza pesquisas periódicas para que os funcionários avaliem seus gestores e incentiva a discussão dos resultados. 

Espaços de trabalho pouco convencionais complementam a cultura da empresa e estimulam a interação entre os colaboradores.
Espaços de trabalho pouco convencionais complementam a cultura da empresa e estimulam a interação entre os colaboradores.

Seja seletivamente generoso

Bock conta que diversos dos famosos benefícios que o Google fornece aos funcionários custam muito pouco à companhia. Não faria sentido, por exemplo, investir em dispendiosos programas de treinamento que não terão garantia de funcionar em escala. Seria muito melhor, em vez disso, usar seus melhores funcionários como instrutores, como dito antes. Dessa forma a empresa pode gastar em benesses realmente importantes. Para o Google, isso significa investir em benefícios que impactem no bem-estar dos funcionários, como refeições e transporte gratuitos. 

Pague de forma desigual

Houve vezes em que um empregado do Google recebeu uma bonificação no valor de US$10 mil, enquanto outro na mesma função recebeu sua bonificação no valor de US$ 1 milhão. Isso aconteceu pois o segundo pertencia a um grupo de elite, com desempenho muito superior aos demais.

As equipes esportivas profissionais trabalham da mesma forma, pagando milhões às estrelas do time. O nível de recursos em caixa do Google pode ser uma exceção, mas firmas menores podem aplicar a mesma lógica para atrair e reter os melhores colaboradores

Dê um empurrãozinho na direção certa

Os melhores gestores não exigem ou forçam seus funcionários a ter os comportamentos desejados. Eles os conduzem de maneira sutil. Se, por exemplo, você deseja estimular a colaboração, na próxima reunião destaque alguns êxitos individuais e peça ideias de como expandi-los. Que tal tentar isso?

Facilite as mudanças

Inevitavelmente, você irá cometer erros ao buscar as melhoras no desempenho do seu time. Ao tentar novas ideias, seja sempre transparente com sua equipe sobre as suas intenções. Isso vai ajudar a converter os críticos em apoiadores, que serão mais tolerantes caso as coisas não deem certo.

É importante perceber que não existe um fluxo de trabalho perfeito ou uma cultura organizacional perfeita. Você precisa inovar e fazer experimentos constantemente. Se queremos ser a melhor empresa, temos que ter as melhores pessoas. Dessa forma, para atraí-las, só dinheiro não será suficiente: será preciso focar em ter uma excelente cultura. Isso envolve o clima de trabalho, as tarefas realizadas e a liberdade dos funcionários.

A beleza dessa abordagem é que um ótimo ambiente de trabalho é autossustentável: todas essas estratégias reforçam umas às outras. Juntas, elas criam uma empresa dedicada, divertida e altamente produtiva.