O que é EVP, a proposta de valor ao colaborador no employer branding

Você sabe o que é EVP? Neste artigo, vamos trazer algumas explicações sobre este tema. Toda empresa tem a sua marca empregadora. No momento em que passa a ter funcionários contratados, automaticamente uma empresa

o que é EVP
Pix Mídia
O que é EVP, a proposta de valor ao colaborador no employer branding

Compartilhar:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram

Você sabe o que é EVP? Neste artigo, vamos trazer algumas explicações sobre este tema.

Toda empresa tem a sua marca empregadora.

No momento em que passa a ter funcionários contratados, automaticamente uma empresa passa a ter pessoas falando sobre a forma como se relaciona com aquela marca, e sobre como é trabalhar naquele local. 

Ou seja, a marca empregadora faz parte, automaticamente, de qualquer organização. 

Mas você sabia que é possível fazer uma gestão estratégica dessa marca empregadora? 

Ao olhar para todos os pontos de contato entre colaborador e empresa, é possível criar uma experiência que seja coerente com o posicionamento desejado. A partir desse momento, se passa a fazer employer branding.

Mas o que é employer branding?

O termo employer branding vem ganhando relevância nas áreas que cuidam das pessoas ou da comunicação das empresas.

Angélica Madalosso, uma das fundadoras da ILoveMyJob, hub de employer branding, falou sobre o tema ao 17º episódio do podcast Endomarketing Brasil e compartilhou uma definição interessante do termo:

“O employer branding é a construção de um posicionamento de marca empregadora com a utilização de técnicas de marketing, storytelling, comunicação, e claro, um trabalho muito alicerçado em experiência do colaborador, para poder fazer com que esse posicionamento seja entendido e assimilado pelos talentos que estão dentro e fora da organização”.

Continue a leitura deste artigo, que já, já explicaremos o que é EVP.

E qual a relação entre employer branding e comunicação interna?

Por sua vez, a comunicação interna e o endomarketing são processos que ajudam a fazer os colaboradores a se engajarem com frentes de trabalho, temas, conteúdos e desafios dentro das organizações.

“Por meio da comunicação, a gente quer que o colaborador saiba o que está acontecendo dentro daquela empresa, que ele entenda o objetivo estratégico e a cultura daquela empresa, assimile isso e coloque isso em prática no seu dia a dia”, completa Angélica.

O employer branding, na verdade, é a forma como a gente irá gerar valor para o talento que está na empresa. 

Ou seja, reforçar com diversas ações o que a empresa é capaz de oferecer para que o empregado perceba que existe entre eles uma relação ganha-ganha.

O processo busca quebrar algumas crenças tradicionais, em que, de forma geral, o “patrão” é visto como quem tira vantagem do empregado. 

“Mas quando a gente começa a trabalhar o employer branding por meio de conteúdo, experiências e rituais internamente para fazer com que esse posicionamento de marca ganhe força, e aí a comunicação interna é um aliado muito importante”, acrescenta Angélica.

Um problema comum nas organizações é que elas têm sim muitas coisas boas, mas elas falam pouco a respeito. 

Por isso, a comunicação interna e o endomarketing são grandes aliados para quando a gente fala em fidelização de talentos. 

Resumindo, trabalhar o employer branding é passar a ser percebido, ser considerado não só como produto ou serviço, mas sim como um bom lugar para se trabalhar. 

E o EVP é um conceito que entra como peça fundamental para o employer branding.

Confira trechos da entrevista ao podcast, na qual Angélica esclareceu algumas dúvidas sobre o que é EVP:

O que é EVP?

Angélica: EVP é a sigla em inglês para employee value proposition, e significa proposta de valor ao colaborador

Essa expressão surgiu por volta de 2017, quando se começou a falar sobre este tema na Europa.

Quando se tem uma proposta de valor ao colaborador, significa que há clareza dos atributos da marca empregadora, ou seja, o que diferencia, ou o que de fato eu ofereço para meus talentos além do salário. 

Então, no momento em que a gente constrói um EVP, fica mais fácil fazer a gestão estratégica de marca empregadora, pois eu tenho clareza dos atributos, do que deve ser evidenciado, do que deve ser melhorado. 

Ter um EVP legítimo e que vai estar no dia a dia do talento não significa que a gente não tenha clareza de atributos que são negativos e que precisam evoluir.

E a gente, enquanto profissional de employer branding, precisa ajudar a capitalizar e fazer com que nasçam iniciativas que melhorem a experiência do colaborador. Claro, se tiver sinergia com o negócio. 

E todo processo de employer branding precisa ter um EVP?

Angélica: Muitas empresas se perguntam se precisam começar pela definição de um EVP para começar a trabalhar com a marca empregadora. Na verdade, depende. 

Quando empresas estão em um processo de transformação cultural muito grande, em que as coisas estão mudando muito, às vezes faz mais sentido a gente alicerçar uma estratégia de marca empregadora com base no movimento de cultura daquele momento, ou com base em dados de pesquisas que já foram realizadas. 

Por quê? Porque a empresa está em um momento de transição muito grande, já tem clareza dos seus valores, vai crescer, mas de maneira estruturada, aí sim é o momento de a gente pensar em construir um EVP consolidado. 

Gosto de dizer que toda empresa tem um EVP, formal ou informal. O que quero dizer com isso? 

Canso de pegar clientes que têm pesquisas GPTW, Pulse, e-NPS, muitos dados, e que usam pouco esses dados. E às vezes já querem sair construindo um EVP formal, que seria o processo formal de construção de um EVP. 

Mas, antes disso, quem sabe a gente não faz uma reflexão para começar a ter iniciativas mais táticas de marca empregadora, ajustar a operação para depois de fato partir para uma jornada de construção de um EVP formal, que é realmente ter aquilo detalhado, cravado no papel, explícito. 

Isso é fazer o employer branding em sua forma ideal? Não é. 

Mas a gente começa com ações mais táticas para depois entrar para um momento mais estratégico, que também exige ter uma equipe, uma estrutura… 

É muito de olhar o momento do cliente, se vale a pena entrar em uma jornada de construção de EVP mesmo, ou se a gente trabalha com o pouco que tem, começa, para depois mostrar valor.

Hoje também um dos maiores desafios do profissional de employer branding é mostrar valor para sua área. 

E o processo de construção de EVP é ótimo na prática. Ele vai trazer muitos resultados. 

Mas, talvez, para você ganhar força para ele, você precise mostrar dados menores antes, números menores para conquistar esse espaço de construção de um EVP mesmo.

Quer saber mais sobre EVP?

Assista ao episódio completo:

E se você está buscando um canal de comunicação que ajude a engajar seus colaboradores e faça parte do processo de fortalecer a sua marca empregadora, conheça a solução para TV corporativa e o app da Pix Mídia, o ImidiaAPP.

COMENTÁRIOS:

ARTIGOS RELACIONADOS:

Profissional de uma empresa organizando as tarefas e definindo o que é prioridade
Está com dificuldade de lidar com tarefas urgentes e prazos curtos? Aprenda a organizar as entregas junto com a equipe, e deixe os seus

Material Rico:

Aproveite e assine nossa newsletter
Inscreva-se no nosso blog e receba todos os nossos conteúdos gratuitos de Endomarketing e Comunicação Interna.

Utilizamos cookies essenciais para o funcionamento do nosso site. Clicando no botão Prosseguir, você concorda com o uso desses cookies. Para mais informações, acesse Politica de Privacidade